O cinema ao vivo consegue ressurgir nas mãos de Coppola

O próprio Francis Ford Coppola, conhecido, sem dúvida, por uma das suas grandes obras cinematográficas (como é o caso de O Poderoso Chefão) reconheceu e viu que o cinema não é como antes e que a era digital fez este formato ter que se adaptar a novas técnicas, mas também a novas necessidades e demandas. Sem ir mais longe, devemos ter em mente que a famosa fábrica da Kodak em Nova York hoje tem uma força de trabalho que não chega a 400 funcionários quando foram contados aos milhares. Não é menos verdade que outro meio, como no caso da televisão, oferece transmissões ao vivo desde o começo, das quais, praticamente, foi usado no começo. Então, por que não tentar isso nos filmes? E é aí que o cinema ao vivo tem muito a dizer. Cinema ao vivo e charme Mas o que é cinema ao vivo? Bem, nem mais nem menos do que oferecer uma transmissão ao vivo de um filme enquanto ele é gravado. Tal como acontece com o teatro, para dar um exemplo, isto requer muito empenho por parte de todos e saber como resolver certos problemas ou erros quando não há repetição de disparos. Claro que há mais riscos, mas é isso que acabou atraindo o famoso diretor. Tanto é assim que, para aqueles que têm mais interesse em abordar essa questão e conhecer detalhadamente suas opiniões sobre o assunto, devem saber que chegou a publicar um livro especializado. Com a experiência do diretor ítalo-americano, escusado será dizer que, se você tem um interesse mínimo neste assunto, o que está nas páginas do livro é um tesouro de memórias espalhadas em cenários, a partir de suas próprias anotações, enquanto ele próprio crescia. e aprendendo nesta arte, bem como comentários extras sobre a mais moderna tecnologia audiovisual de hoje. Neste último ponto, o próprio Coppola faz uma importante reflexão sobre por que até agora esse tipo de formato cinematográfico não funcionou e que, de fato, o desenvolvimento tecnológico das últimas décadas deu um enorme salto que permite que projetos desse estilo tem lugar. Oficinas Experimentais de Coppola Para continuar desenvolvendo essa ideia sobre cinema ao vivo e ver até onde ela poderia ir, Coppola lançou dois workshops experimentais. O primeiro surgiu em 2005, especificamente no Oklahoma City Community Colllege e o segundo, um ano depois, na Escola de Teatro, Cinema e Televisão da Universidade da Califórnia. Com tudo o que aprendeu, decidiu escrever o livro mencionado. Seu atual projeto apresentado sob o nome de Distant Vision conta a história de três gerações de americanos italianos. Foi realizado na Universidade da UCLA com a participação de 75 alunos. O filme não transcendeu tanto quanto outros filmes, mas despertou interesse no que pode ser o começo da mudança.

A entrada O cinema em vivo consegue ressurgir da mão de Coppola aparece primeiro em FemQuality.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *